Gepatria ajuíza ação contra PM de Foz flagrado recebendo propina de empresário

Agências do Trabalhador têm 3.370 vagas de empregos disponíveis no Paraná

A semana está com diversas vagas ofertadas pelas Agências do Trabalhador, vinculadas à Secretaria de Justiça, Família e Trabalho. Estão disponíveis 3.370 oportunidades de...

2ª Turma confirma incompetência da 13ª Vara de Curitiba em ação contra Guido Mantega

O colegiado manteve decisão do relator, ministro Gilmar Mendes, que verificou que as ações não tratam de desvios de recursos O post 2ª Turma confirma...

Covid-19: Brasil registra 3.321 mortes e 69,3 mil casos em 24 horas

O número de pessoas recuperadas está em 12.561.689 O Brasil ultrapassou a marca dos 14 milhões de casos de covid-19 O post Covid-19: Brasil registra...

Boletim médico do prefeito Rafael Greca

O prefeito Rafael Greca, internado no Hospital Nossa Senhora das Graças, no fim da manhã de terça-feira (20/04/21), devido a O post Boletim médico do...

Rafael Greca, prefeito de Curitiba, sofre AVC e é internado

O prefeito de Curitiba, Rafael Greca, de 65 anos, sofreu um acidente vascular cerebral isquêmico na manhã desta terça-feira, 20. Em nota, a prefeitura...

O Ministério Público do Paraná apresentou nesta semana, em 4 de março, ação civil pública por ato de improbidade administrativa em face de um capitão da Polícia Militar acusado de ter abandonado o posto de serviço e se deslocado a Curitiba para receber propina de um empresário. A ação foi ajuizada pelo Núcleo de Foz do Iguaçu do Grupo Especializado na Proteção do Patrimônio Público e no Combate à Improbidade Administrativa (Gepatria).

Além da questão criminal, alvo de ação penal também proposta pelo MPPR, o Gepatria sustenta que os fatos implicaram em atos de improbidade administrativa que levaram a enriquecimento ilícito, além de lesão aos princípios constitucionais regentes da administração pública, bem como danos morais coletivos. Se condenado, o policial militar pode perder a função pública, além de ter suspensos os direitos políticos e ser obrigado a pagar multa cível.

O PM foi preso em flagrante, em Curitiba, em dezembro de 2019, no momento em que recebia dinheiro de um empresário para não iniciar uma investigação relacionada a contratos dele com a prefeitura de Foz. O policial atuava no Núcleo de Foz do Iguaçu do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), do MPPR. A prisão foi efetuada por uma equipe do Gaeco da capital.

Fonte: Rádio Cultura Foz

Agências do Trabalhador têm 3.370 vagas de empregos disponíveis no Paraná

A semana está com diversas vagas ofertadas pelas Agências do Trabalhador, vinculadas à Secretaria de Justiça, Família e Trabalho. Estão disponíveis 3.370 oportunidades de...

2ª Turma confirma incompetência da 13ª Vara de Curitiba em ação contra Guido Mantega

O colegiado manteve decisão do relator, ministro Gilmar Mendes, que verificou que as ações não tratam de desvios de recursos O post 2ª Turma confirma...

Covid-19: Brasil registra 3.321 mortes e 69,3 mil casos em 24 horas

O número de pessoas recuperadas está em 12.561.689 O Brasil ultrapassou a marca dos 14 milhões de casos de covid-19 O post Covid-19: Brasil registra...

Artigos Relacionados

Agências do Trabalhador têm 3.370 vagas de empregos disponíveis no Paraná

A semana está com diversas vagas ofertadas pelas Agências do Trabalhador, vinculadas à Secretaria de Justiça, Família e Trabalho. Estão disponíveis 3.370 oportunidades de...

2ª Turma confirma incompetência da 13ª Vara de Curitiba em ação contra Guido Mantega

O colegiado manteve decisão do relator, ministro Gilmar Mendes, que verificou que as ações não tratam de desvios de recursos O post 2ª Turma confirma...

Covid-19: Brasil registra 3.321 mortes e 69,3 mil casos em 24 horas

O número de pessoas recuperadas está em 12.561.689 O Brasil ultrapassou a marca dos 14 milhões de casos de covid-19 O post Covid-19: Brasil registra...